4

Segurança no carro...

Esses dias, andava tranquila dirigindo voltando para casa, e por causa da imprudência de outro motorista, bati meu carro!!! Mas, como eu estava de cinto, nada me aconteceu, e o meu Davi (Graças à Deus) não estava comigo. Somente o carro teve danos reparáveis (que até agora o motorista imprudente não pagou), e o susto foi leve...
Bom, essa cena se repete, muitas vezes com diversas pessoas... Mas o que me preocupa é a segurança...
Se eu não estivesse de cinto, com certeza, com a pancada, eu teria quebrado o nariz no parabrisa!!! Ainda bem que não saio de casa sem por o cinto, mesmo que seja para ir até a esquina...
Enfim, retomando a minha preocupação, se o Davi estivesse comigo no carro no momento da batida, ele teria somente se assustado, pois meu lindo só anda de carro na cadeirinha!!! Pois, eu me preocupo muito com meu tesouro... morro de medo que aconteça qualquer coisa com o grande amor da minha vida... zelo muito pela segurança, logo, pela vida do meu filho.
E é aqui que faço um apelo aos pais: "Não andem com seus preciosos filhos soltos dentro do carro!!!"
Nunca sabemos o que pode acontecer quando saimos de casa, ainda mais de carro. Coloquem as crianças na cadeirinha, usem o cinto de segurança, prezem pela vida de vocês e daqueles que mais amam!!!
Fico pensando, que se o Davi estivesse no carro comigo e ele não estivesse na cadeirinha, com a pancada, teria voado do carro (Deus me livrou disso). Não gosto de pensar nisso, mas é a realidade de muitas familias que sofreram acidentes e não pensaram na segurança de suas crianças.
Bom, fica a dica... Prezem pela segurança dentro do carro, para que um lindo passeio (ou de rotina) não vire um pesadelo.


0

1 ano e 1 mês

  Davi andando e brincando...

 

Meu pequeno, agora que está andando faz uma baguncinha... Mas adorooo esse pitoquinho andando pelo meio da casa atrás de mim. Alegria dos meus dias!!!!

  Primeiro eu!

Parece que o mundo todo gira em torno do seu filho? Pois é, é exatamente isso que ele acha. Durante vários meses daqui para a frente, a criança vai pensar quase só em si mesma. É por isso que emprestar o brinquedo ou dividir a bolacha é tão difícil. Ela ainda vai ser egocêntrica assim por algum tempo.

Basta você observar seu filho brincando junto com algum amiguinho. Dificilmente ele parecerá interessado em realmente interagir com a outra criança.

Você, por outro lado, continua sendo a pessoa mais importante da vida do seu filho. Ele vai continuar exigindo bastante a sua presença -- principalmente agora que está começando a andar e a fazer com que você corra literalmente atrás dele o tempo todo.

Por outro lado, ele já começa a passar alguns minutinhos sozinho, desde que consiga ver você.

Brincadeiras e medos

Brincar com seu filho o ajuda a desenvolver a capacidade de interagir com outras pessoas. Capriche em uma sessão de pega-pega, por exemplo. Outra boa brincadeira é pedir que ele aponte partes do corpo: "Cadê o umbigo?". Especialistas acreditam que esse tipo de jogo ajude a reforçar para a criança que ela é uma pessoa independente dos pais.



Nessa fase, a criança pode demonstrar certa timidez ou até medo de estranhos. Esse tipo de nervosismo é bem normal, principalmente com pessoas que ele não conhece bem. Pense que ele está apenas mostrando que sabe a diferença entre quem conhece e quem não conhece, e que isso faz parte do desenvolvimento.

Além de pessoas estranhas, seu filho pode começar a demonstrar medo de barulhos altos (do liquidificador ou do aspirador de pó, por exemplo), de água (da banheira, da piscina ou até da descarga do vaso sanitário) e de animais. Caso isso aconteça, respeite o medo dele, mesmo que isso signifique uns dias de "banho de gato", e aos poucos vá promovendo maior convivência com o motivo do medo.

Vale transformar a coisa em brincadeira: se o medo é de cachorro, bata um papo com um cãozinho de pelúcia. Se é de liquidificador, deixe-o apertar o botão sob sua supervisão, para que ele se sinta importante.

Comportamentos imprevisíveis

Do nada seu filho, tão bonzinho, resolveu começar a gritar como um maluco? Ele está explorando o mundo, seus próprios órgãos e o poder que exerce sobre você. É assim que ele vai descobrir quais comportamentos são aceitáveis e quais não são.

Você pode dar a ele uma chance de extravasar toda essa energia, como numa boa guerra de almofadas (leves, e num lugar onde não haja nada frágil). Massinha de modelar, de preferência antialérgica, é outro veículo possível para as explorações dele. De vez em quando, deixe-o brincar livremente na água: uma bacia no quintal ou até dentro do box vale, sempre debaixo dos seus olhos atentos.

Talvez a disposição para comer também seja afetada. Se ele comia bem as sopinhas e papinhas, agora pode começar a recusar a "comida de gente grande". Fique calma, porque o apetite diminui mesmo um pouco nesta fase, muito porque seu filho está tão interessado em explorar o mundo que mal sobra tempo para pensar em se alimentar. E ele quer ter o poder de escolher o que vai comer.

Recusando colo?

Como assim? Tudo culpa do gostinho de liberdade! Agora ele já pode se locomover sozinho, seja engatinhando, seja andando, e não vai querer abrir mão desse direito. Mantê-lo no carrinho ou de mãos dadas num lugar cheio de gente pode ser especialmente difícil.

As quedas serão inevitáveis, mas procure não se desesperar. Não dá para evitá-las totalmente, e andar em superfícies irregulares, como degraus (só um ou dois), areia ou tapetes, pode parecer perigoso, mas é um ótimo treino para os pés do seu filho.

Uma boa idéia é fazer a seguinte brincadeira: você caminha na frente da criança e de repente finge ter tropeçado e cai no chão. Ela vai se divertir à beça com a comédia e perceberá que adultos também estão sujeitos aos tombos da vida.

Sapatos ainda não são essenciais, exceto em superfícies em que a criança possa se machucar. Não compre sapatos grandes demais -- o ideal é deixar um espaço de cerca de um dedo entre o dedão e a ponta do sapato. Se você não consegue sentir o dedão, é porque o sapato é duro demais para uma criança desta idade.

E, já que o negócio do seu filho é chão, incentive-o a treinar novos movimentos, caso ele esteja andando firme. Mostre como se abaixar e levantar para pegar coisas interessantes do chão, agachando e ficando de pé sem precisar segurar em nada. Se seu filho ainda não anda, calma. Resista à tentação de colocá-lo num andador, pois esses equipamentos não são recomendados por especialistas.

Comunicação cada vez melhor

Com 1 ano e 1 mês, as crianças costumam ter um vocabulário de três ou quatro palavras ("mamá" e "papá" são bons candidatos), mas não se preocupe se seu filho ainda não disser nada. A aquisição da linguagem nessa fase é passiva: elas ouvem tudo e vão arquivando, para usar mais tarde.

 

Mesmo que ainda não fale, seu filho vai mostrar o que quer -- apontando, virando a cabeça, ficando mole como minhoca para ir para o chão.

Converse com a criança o tempo todo, numa voz "adulta", contando o que está fazendo. Músicas acompanhadas de gestos fazem sucesso com os pequenos (como "Fui morar numa casinha, nha, nha / infestada, da, da / de cupim, pim, pim...").

Ela começa a perceber as diferenças na entonação, e "conversa" com você, mesmo sem dizer nenhuma palavra inteligível.

Teste e aviso

Para ver se seu filho já compreende o conceito de que os objetos continuam existindo mesmo que não estejam à vista, coloque um brinquedo embaixo do sofá, da cama ou de um pano, na frente dele, e veja se ele vai procurá-lo no lugar certo. É com esta idade que as crianças começam a perceber que a coisa não sumiu só porque deixou de ser visível.

E cuidado: ele está louco para encaixar uma coisa dentro da outra e apertar qualquer tipo de botão, para ver o que acontece. Atenção às tomadas, aos aparelhos eletrônicos e na cozinha, para evitar acidentes. 


Fonte: Baby Center
0

Dicionário do Davi...


Antes de completar um ano, Davi já tinha um pequeno vocabulário... mas assim que fez um aninho a tagalerice começou...
E nem sempre os outros, a não ser papai e mamãe compreendem!!!
Então segue abaixo o "Novo Dicionário Davi":
(Vou acrescentando mais palavras conforme ele for aprendendo)

Mamã - Mamãe ou mamá (quando vê a mamadeira);
Papa - Papai ou papa (quando vê o prato de comida);
Uis - Luz;
Ade - Acender (quando vê o interruptor);
Einha - Belinha (o nome da nossa cachorrinha);
Ina - Mirna (o nome da nossa cachorrona);
Bo - Vô;
Bó - Vó;
 


0

Ganhei mais um selinho...

Blogueiro versátil

Estou muito feliz por ter ganhado mais este selinho...

As regras são:
1- Agradecer quem te ofereceu o selinho e postar o link do  blog
2- Convidar mais 15 blogs para participar da brincadeira
3- Postar sete coisas de que gosta mais.

 Quem me passou o selinho foi a Leticia Santana do blog Nicolas Rafael, muito obrigada querida pelo selinho, muito fofo... gostei demais.

E estou repassando para as amigas:
  1. Angelica carvalho - Meu Pequeno Principe
  2. Bruna Laiz - As Aventuras de um principe 
  3.  Ingrid Garcia - Coisas de Mãe
    4. Ingrid Ribeiro - Como ser mãe de um principe
    5. Rayane Vianna - Confissões de uma grávida
    6. Anna Paula -  Dias FelÍsis
    7. Lilia Faria - Diario da mãe e da filha
    8. Michele Camargo - Histórias de uma Mãe Apaixonada
    9. Lia Mara Mangiavacchi Amaral - Manhêêê!!!!
    10. Emanoelle Wisnievski - Manu Mamãe
    11. Francisca Anselma - Maternidade  assuntos gerais
    12.  Telma - Maternidade na medida certa
    13. Marina Rocha - Mãe de menino
    14. Cris - Para mamãe e bebê
    15. Marília Flaquer - Pedagogiando  
  4.                                                  
    As sete coisas que gosto de fazer são:
Comer
Da risada
Cuidar do meu bebê
Cozinhar
Ficar com meu esposo
Sair com as amigas
Assistir filmes
Free Baby Roll ani Cursors at www.totallyfreecursors.com